domingo, maio 30, 2010

quinta-feira, maio 27, 2010

Ensaio sobre seres que não o são...


Falo de pessoas....pessoas..peças de um mundo que se prevê inteiro nas emoções e nos sentimentos que transmite...em todos os ecos que dá nos caminhos por onde passa...
Ecos....prolongamento de gritos e choros que só alguns ouvidos atinge...gargalhadas prolongamento de instantes felizes que todos ouvem sem hesitar.Uma gargalhada não irrita mesmo quando pode ser irritante..uma lágrima só por si já nos estremece a não ser que caia numa pedra oca e vazia...aí o eco sufoca na indiferença de um granito que se julga avançado no meio das pedras quadradas que jura contar no seu chão.





Falo de pessoas...peças que partem em mil outras peças até um dia que voltam a unir-se seguras de nunca mais partir e lá ficam suspensas em momentos seguros que nenhuma tempestade vã parece ameaçar ruir.Mas a tempestade vem e a unidade passa a meio de alguma coisa..inseparáveis são os gestos que habitam em nós e de nós partem em várias direcções à procura de dar azul à escuridão do vosso mundo nem que seja à custa de um rosto por vezes mais cinzento...um pedaço de azul altivo junto ao peito vale por todos os ventos que te possam soprar para longe de ti mesmo...os ventos não te deixam partir para longe e sabem sempre que poderás um dia voltar...Mas as pessoas...aqueles seres que dizem ser gente e que afinal não o são,vão gostar sempre de te ver rodopiar como um pião à espera de te ver cair..mas tu que também és pessoa vais fincar os teus pés de barro na terra e por teimosia lá estarás sempre preparada para voltar a içar a tua bandeira numa alma cheia...

Daniela Pereira
Direitos de Autor Reservados

segunda-feira, maio 24, 2010

Ghost from the past....


Ghosts from the Past - Bang Gang


You fall like an angel to me
And you fell and broke your wings
It was never meant to last
You were just a ghost from the past

I thought you really could be real
That my heart was ready to bleed
When I walked through pain and fear
You would totally disappear

You know that I love you, you know what I need
You know that I find you so tender so sweet
We walked through the darkness, we walked in the sun
We shared all our sorrows, we shared all our love
You said that you love me you said that you cared
So how could I know I had something to fear
I don't know where you are I know that you're hurt
I should have been able to sense your alert


You came like a stranger to me
And you said you were for real
Now I do know where this will end
I was cold and I needed a friend
I turned on the light so you could see
I was stuck in some other dream
Still my eyes were crystal clear
You came closer and shattered my tears

Chorus

How could you say you want me to go
When my diamond was starting to glow
When you knew that I wanted you so
You left me alone






domingo, maio 23, 2010

Contraluz...

É pó de estrelas aquilo que eu vejo à superfície do teu querer...
caminhas na direcção contrária do vento porque a ti só te interessa a velocidade infinita de uma luz...
Sou um cometa que se desfaz aqui em mil pedaços já...para te construir de novo ali ao lado...
É pó de estrelas aquilo que eu vejo do cimo do meu altar sagrado onde pecas com o corpo ...sereia brava a reluzir no ninho...

Daniela Pereira
Direitos de autor reservados
Foto da autoria da autora:http://olhares.aeiou.pt/po_de_estrelas_do_mar_foto3724333.html

domingo, maio 16, 2010

O teu fabuloso destino...



Achei que tinha nascido para fazer os outros mais felizes...ando tão distraída com os sorrisos que ofereço que quase me esqueço de ser feliz...*

sexta-feira, maio 14, 2010

A lógica do que não sei sentir....





Todos que amo são perfeitos...
porque o amor é a perfeição de todos os sentimentos.
Só me sinto imperfeita porque vos podia amar mais um pouco...
então amo-vos um pouco mais e os defeitos do que não sinto ficam mais pequenos ...


Todos que amo são perfeitos...
e eu sou perfeita quando vos sei amar...
e todo o resto que não amo
é imperfeito demais para eu amar...

Daniela Pereira
Direitos de Autor Reservados

sábado, maio 08, 2010

O amor não é uma palavra simples...é um verbo sem partida nem chegada





Vem depressa Amor,porque te sinto frágil no meu peito...a perder os arco-íris que pintei para ti e há um rio tão tranquilo dentro de mim que espera de novo ver-te naufragar...
Faz-me sentir segura nos abraços e nos beijos que guardei para te dar quando voltares a florir de mim..já soprei os meus desertos que ficaram despojados num só chão..já plantei novas sementes,mas acho que ainda não as consigo desejar tão puramente quanto desejei naqueles dias que moravas no meu coração cheio de vida e tão certo.

Vem depressa Amor,porque te sinto frágil...a fugires do meu horizonte por entre os dedos já cansados de escrever amores ausentes...das lágrimas passadas já fiz tantos mares a transbordar de sal...porque não nasce em mim uma nova onda de espuma que me molhe todas as angústias?
Tenho o sol preso à algibeira,como se fosse pecado deixá-lo brilhar outra vez...como se as estrelas tivessem correntes que ainda não aprendi a soltar...
E se te encontrar no fundo daquela nota mais profunda? Serás mais uma melodia ou um som vazio que nada em mim escuta?

Vem depressa Amor,porque te sinto frágil e a morrer dentro de mim numa metamorfose de medos e risos que nada consegue criar de tantas árvores cortadas ao relento...meu peixinho dos sonhos dourados,mergulha em paz.

Daniela Pereira
Direitos de Autor Reservados

quinta-feira, maio 06, 2010

O célebre motor...


Na impedância dos meus olhos
já não há espaço para silêncios turbo...
Ai como seria tão bom,se pudéssemos pausar o motor
e abraçar tranquilamente a ressonância da viagem...
sem sentir todas as pedras ocas
que nos entupiram o coração pelo caminho...

Daniela Pereira in Impedâncias cognitivas
Direitos de Autor Reservados

foto "La lumiére" de Daniela Pereira

sábado, maio 01, 2010

L'amour...






"L'amour... "

...E porque o amor jamais será eterno então não te posso amar porque não conheço a estrada do infinito...
Amo-te só num pequeno espaço de tempo..como se desse um beijo às rosas antes de caírem murchas no chão...
Não deixes doces sementes ao abandono nos braços da desilusão...rega-te e quando te sentires perto do fim...ama-te porque ainda és pétala rosa..


Daniela Pereira
Direitos de Autor Reservados