segunda-feira, novembro 29, 2004

Evolução nocturna



"Este poema é dedicado a uma fadinha da poesia muito especial :)"

Esta noite não cerrei os olhos e não vi escuridão.
Deixei-me ficar quieta no silêncio a desbastar pensamentos e a sentir a noite evoluir.
Passei imagens num flashback acelerado desnudando-as de incógnitas.
Ficaram despidas dos desperdícios.
Eram transparentes...
Penetrei-as numa sequência repetitiva de clarões de luz
disparados pela luminosidade do olhar iluminado enfraquecido.
Tirei fotocópias dos momentos para mais tarde recordar porque não os queria esquecer.
À medida que a noite desabrochava
violei-os sem deixar marcas que os pudessem desfigurar.
Eram perfeitos visualizados pelos olhos da minha imperfeição.
Num gesto brusco, espalhei-os pelo tecto do meu quarto...
Olhei... reflecti... e ponderei os prós e os contras.
Depois empilhei-os em camadas agridoces no fundo da gaveta.

4 comentários:

Luísa Mota disse...

Minha querida Blue,

A fadinha agradeçe emocionada e repete....mas agora com mais determinação e empenho:

Inconfundível o teu estilo forte e decido e profundo e abrangente e poderoso.

A cada poema uma viagem, descrita na magia da caneta.
A cada poema uma janela, descrita em plena folha.

" Tirei fotocópias dos momentos para mais tarde recordar
...........
Num gesto brusco, espalhei-os pelo tecto do meu quarto...
Olhei...
reflecti...
e ponderei os prós e os contras.
Depois empilhei-os em camadas agridoces
no fundo da gaveta"

1 Bj*
Luísa

blueiela disse...

Luísa,

Minha bela fadinha!! :)

Muito obrigado pelas tuas palavras carinhosas e por seres uma leitora assídua dos meus poemas...
Este poema nasceu numa noite de insónias, de pensamentos confusos e de muitas incertezas...o acalmar da minha tempestade surgiu aqui em cada palavra que escrevi e em cada sentimento que libertei para o papel!



beijinhos para ti e para a tua pipoquinha linda...linda!!!

Blue

name disse...

Fulminante poema.è um poema boomrang para quem lê com Lâminas afiadas na ponta da língua, que quando retorna trespassa os ossos e a carne.
Daqueles que gosto. Com a intensidade de um vulcão a arder.

blueiela disse...

Mais uma vez as tuas palavras tocam-me profundamente!
Este poema "Evolução nocturna" é a descrição de uma noite em que os pensamentos atacaram o meu espírito e foi urgente a necessidade de os libertar da sua fúria ...
Obrigado pela visita :)


beijos

Blueiela