segunda-feira, março 20, 2006

Um céu caiado no silêncio


Nas palavras que escrevo
por uma estranha vontade
tenho um grito enjaulado.
À noite é uma fera cativa
que atiço com paixão
acenando com um corpo nu na minha mão.
De dia é um pássaro mudo
com sonhos costurados na alma
que o mundo por compaixão
vai deixando voar livre neste céu
que ainda cheira a silêncio pintado de fresco.

Daniela Pereira-20/03/06

2 comentários:

Cícero disse...

Já começa a ser um hábito vir aqui.
Ler-te é energia.
Perceber-te é desafio.
O teu universo criativo altera-me o ego,
a inspiração renasce com mais facilidade.

Se te aborreço, desculpa.
«mas, não tenho culpa»
Em palavras devaneio,
e a imaginação resulta.

Esse “silêncio pintado de fresco”
é ruído bom para mim.

Tudo de bom para ti...

blueiela disse...

Cícero

:)Claro que não me aborreces,é desafiante ser a inspiração de alguém...
Que esse teu hábito se torne num bom vício porque aqui serás sempre benvindo.

beijos poéticos

blue