sexta-feira, abril 28, 2006

“Ao som de Spiralling de Antony and the Johnsons”




Perdoa-me porque consinto
Que estas lágrimas voltem a cair
Mas não consigo ensinar
Ao meu peito
Que a tristeza não tem valor.

Se hoje ouço melodias
Com os olhos molhados
Quero que saibas
Que não culpo a tua voz
Por nenhum momento de silêncio
Porque Só o meu coração
É culpado
Por amar tanto as tuas palavras.

Talvez se não ouvisse
Mais nenhuma música...
Se tapasse os meus ouvidos
Com muita força
Podia ser que estas notas sofridas
Não ecoassem dentro de mim
E que neste relógio
Que trago pregado na pele
Os minutos finalmente deixassem
De caminhar na areia do tempo
Com passos tão marcados.

Perdoa-me por continuar a afogar-me
Em todas as tempestades
Que se abatem na minha mente
Sem nunca tentar nadar
Para atingir a segurança de uma terra firme...
Mas acredita que os meus braços
Já não têm mais forças
E recusam todos os meus pedidos
E eu já não sei mais
Em que direcção
Devo largar os meus gritos de socorro
Porque o meu olhar confundiu o Norte
Ao se perder numa imensidão de estrelas
Todas as noites tentando adormecer
Sem te ter ao meu lado.

Ai, se eu pudesse escolher
Cada palavra que escrevo
Nenhuma soaria com esta dor
E todas estariam sempre
Para ti sorrindo
Com um brilho feiticeiro no olhar
Da primeira até
À ultima linha.

Por isso perdoa-me...

Mas não consigo evitar
Que elas por alguns momentos
Baixem os olhos entristecidas
Mesmo quando eu lhes afago a cabeça.

Só queria saber qual é o segredo
Para se estar sempre a sorrir
Sem fingir que se é feliz...
Como se pode desejar
Um corpo com fervor
Sem lhe poder tocar
Sabendo que só em sonhos
O poderás cobrir de beijos.
Como beijar uma boca
Com os beijos mais quentes
Sem sentir o calor desses lábios
A aquecer os teus.
Como sacudir os pensamentos
Para que eles não fiquem inertes
Seduzidos por um rosto
Que não lhes sai da cabeça.
Como fazer parar
A inspiração que te corre nas veias
Sempre que pensas em alguém.
Como calar nos teus dedos
Todos os sentimentos
Sem os amarrares atrás das tuas costas
Para que possas
Ter sempre as mãos soltas
Para dar uma carícia.

Porque me fizeste assim Meu Deus?
Porque não consigo odiar quem não me ama
E porque amo eu
Quem apenas não me odeia?
Porque vejo magia no brilho de uma estrela
Se todas brilham com a mesma luz?
Porque amo com tanto fogo
Estas palavras
Se na verdade és tu que eu queria poder amar?
De que me serve
Inundar os teus dias e noites
Com beijos e carinhos
Se nunca mais te vou ouvir dizer
Que eles são a tua alegria?


Ao azul deste céu
Não perguntarei mais nada
Porque sei que haverá
Sempre uma nuvem ocultando a resposta
No azul deste mar
Não deixarei flutuar
Mais nenhuma dúvida
E todos os pontos de interrogação
Que surgirem neste peito
Espero bem que as ondas os levem para longe de mim
Porque assim saberei
Que só salvarei as certezas
Quando estender o meu braço.



Talvez se soubesse
Como emparedar
Um coração na carne
Ele já não batesse mais
Sempre que sente os teus passos
E eu não ficasse mais
À espera do teu longo abraço
deitada nesta cama
Com cravos vermelhos
Desfalecidos aos meus pés


Por isso perdoa-me por todas as lágrimas
E por todos os sorrisos
Que trago dentro de mim
Sempre que tocas levemente no meu rosto
Porque não é apenas pele
Que sentes debaixo desses dedos...
É a minha alma que a ti se dá por inteiro com prazer.


Agora que deixei que estas palavras
Vissem a luz do dia
Sei que esta escuridão vai passar...
Por isso perdoa-me
Por não as deixar sempre
no escuro aprisionadas
longe do teu olhar sorridente
mas preciso de ver por momentos o sol
e só assim dissipo as minhas nuvens
para poder renascer para ti sorrindo...

Blue-27/04/06

1 comentário:

Poeta Urso disse...

ou lembra daquele dormente que estava devaneando?

abraços e beijos