domingo, fevereiro 13, 2005

Rouba


Rouba-me o corpo com as tuas mãos frias
e guarda-me no bolso do pijama.
Estende-me em frente à lareira
e conta-me histórias até eu adormecer.
Fala comigo mesmo que eu não te oiça
prende os meus ouvidos na tua voz de mel.
Aquece-me o peito com palavras em chama
e degela-me a alma hibernada.
Escolhe para mim o teu melhor sorriso
e tatua-o na minha pele com agulhas de fogo.
Afaga-me os cabelos e enrola-te neles
até ficares tonto com o seu cheiro.
Prende o meu rosto no espelho da casa de banho
e corta os meus lábios com a navalha de barbear.

Fica com eles na carteira ... são teus!

10 comentários:

Daniel Aladiah disse...

Olá, Blueiela
Reapareces cheia de uma sensualidade que se sente na carne, qual fio da navalha cortando fundo...
Um beijo
Daniel

Duarte Temtem disse...

Adorei a maneira como acabaste o poema! Está fantástico!

Bjs

PBOX disse...

Olá vareira,

Este é o poema mais fixe que já escreveste. Tem um senão... a parte do cabelo, podias trocar a palavra "cheiro" por perfume, odor ou outro sinónimo mais qualitativo.

Estás a melhorar, parabéns.

Betty Branco Martins disse...

Como sempre... dás as formas atraves das palavras... Magnificamente!

Bjs

Betty

Luís disse...

Perfeito!!!
Bj**
Luis

blueiela disse...

Daniel, Duarte,Betty e Luís,

Queria agradecer pela vossa presença sempre simpática e dedicada no blog ;)

beijos

Pbox, meu bom amigo...desaparecido...mas amigo;)
Obrigado pelo teu elogio aqui à vareira mais alucinada que conheces.
Olha o teu azar quando foste parar à mesma regência que eu na Universidade!!Quem diria que te irias cruzar com uma miúda com a mania que sabe escrever?hum...hum
Ah obrigado pela sugestão do perfume,sempre muito atento aos pormenores.

um beijinho saudoso

blue

Duarte disse...

Usando o link de um blog amigo, que curiosamente usa o mesmo nome que eu, naufraguei neste recanto de poesia bela, pura e sadia.. Continua, espero voltar. Bjs

Duarte disse...

Bem, a excelência dos poemas obrigarão a acostar por aqui, fruir, embevecer, e continuar a vir. Parabéns! Gostei muito. Bjinho

Pedro disse...

Rouba, rouba tudo o que de mim queres. Aconchega o elixir da tua existência.

É um poema perfeito, conjugação ideal entre texto e imagem. Ela solta a água do cabelo, como quem se predispõe ao amor.
Mais uma preciosidade da poetisa mais criativa de Portugal.
Beijinhos fortalecidos :)

Anónimo disse...

Roubei teus sabios lábios, os cortei de uma meneira e guardei na minha carteira.
Beijos no coração