quinta-feira, novembro 20, 2008

O mal não desejado...

Perguntei...
Achas que te desejo mal?
Respondeu..
Todo o mal que sentes é aquele que me desejaste a mim
Então lembrei os dias em que chorei
por não saber de ti..
Se sorrias acompanhado
ou choravas abandonado sem um abraço
a vestir-te o corpo...
Desejei-te mal?
Que mal se pode desejar a quem se ama?
A todas as saudades sem endereço
nem porta para abrir?
A todas as lágrimas que chorei
cansada por já não encontrar o teu sorriso
que conhecia tão bem como a cor da minha pele...
Que mal posso eu desejar?
A todos os sabores guardados na minha boca
recordando mil e um beijos dados com paixão?
Se eu os tivesse queimado
juntamente com cada pedaço do meu corpo
que já foi teu..
ainda teria a alma para me lembrar de ti.
Não quero que penses em mim disse...
Como se o pensamento fosse um interruptor
que se liga e desliga mediante a amplitude de escuridão que nos assola o rosto...
Como se o pensamento fosse uma folha de papel com palavras escritas a mais...
pedindo para serem apagadas com tinta branca...
Desejas-me mal?
Não..só desejei mal a mim quando lutei por ti...







O meu lado oculto


Se as paredes do meu quarto tivessem sido erguidas com boca e garganta suficientemente forte

para te gritar ao ouvido todas as noites que passei em branco a rezar por ti...
A pedir a Deus que não sentisses frio...que cuidasse de ti..
Se todas as lágrimas com que encharquei a minha almofada não estivessem hoje secas...
Se os meus olhos não estivessem pintados com sombras coloridas para disfarçar a vermelhidão com que me levantei todas as manhãs por ter adormecido sem te ter ao meu lado...
Se visses as horas que passaram na porcaria dos relógios que o tempo não poupa..se visses todas as horas que perdi sorrindo com lembranças do teu cabelo..do teu olhar que me despia em sonhos porque na realidade deixaste-me vestida com um longo vestido preto costurado nas curvas do meu corpo...
Se me tivesses visto perder o apetite por já não conseguir esconder a dor que sentia porque a única fome que tinha era da tua imagem...
As tardes em que corri como louca para o jardim para ficar sozinha entre as flores e sentir-me por momentos de novo bonita rodeada de tanta beleza...porque tu ao ires embora deixaste-me feia
Que mal desejei a ti?Amar-te como amei foi desejar o teu mal?
Sofrer com a tua ausência,foi um feitiço contra ti..sugou-te as forças?
E as minhas forças?Quem as tirou de mim?Quem deixou a minha alma a sangrar e ignorou todo o meu sangue que corria desesperado nas minhas veias tentando chegar até ti?

Daniela Pereira

1 comentário:

Vitor Oliveira Jorge disse...

Conhece o meu blogue
http://trans-ferir.blogspot.com ?
Apareça dia 25 Novembro 2008 às 18,30 h na Livraria Books and Living do CC Cidade do Porto, para o lançamento do meu novo PEQUENO LIVRO DE AFORISMOS. Entrada livre!
Saudações
Vitor O. Jorge