sexta-feira, fevereiro 27, 2009

O primeiro olhar..um ultimo amor-IV parte




O primeiro Olhar


Ele e Ela...Ela e Ele...


Depois de rostos difusos e palavras sem som, Ele quis ver-lhe os contornos..a cor dos olhos quando o sol os iluminava..Ela quis ver se o sorriso dele era mesmo tão doce como ela imaginava...
Já tinha sonhado com Ele, com palavras animadas a bailar na escuridão..com olhos parados num ponto só cruzando desejos. E Ele? Onde a guardava nos seus sonhos? Seria em abraços de espuma ou em abraços de chumbo com o corpo pesado em cima do dela?Existiria tempo para decorar-lhe os gestos e a altura dos ombros..ou seria tudo tão fugaz que só de suspiros viveriam todas as lembranças?
Ela arriscou conhecer aquela alma que tanto a fascinava pela diferença que dotava na humanidade que nele parecia existir...Tinha doces palavras...ternas preocupações...meigas dores e um vazio que nada parecia conseguir extinguir...metia-lhe pena mas ao mesmo tempo sentia carinho por aquela alma que parecia caminhar sem direcção. Então,Ela abriu-lhe o coração de par em par.. limpou poeiras passadas que por lá ainda andavam...encheu de flores todos os vasos de sangue que jaziam nas mesas...desenhou floreiras para encaixar nas varandas...lavou do chão as lágrimas...rasgou da carne todas as amarguras e acreditou que ia ser feliz fazendo sorrir aquele anjo de asas pendidas.
E Ele veio até Ela, vestindo preto na pele e cuspindo fumo nervoso pela boca com um olhar cabisbaixo surgiu por detrás das sombras e Ela sentiu que as palavras lhe iam fugir na garganta como loucas...que os braços iam ser meigos demais e que o seu sorriso ia ficar muito exposto naquela tarde de chuva adocicada...e assim foi. Ela sorriu..ela abraçou..ela deixou sair todas as palavras que molhou no mel, só porque o queria ver a sorrir.
E eles falaram dos seus feitos..dos seus defeitos também e as mãos procuravam agarrar o que ambos já tinham perdido como se o outro pudesse ter algo melhor do que o seu sonho, se pelo menos sonhassem juntos...todos os sonhos seriam possíveis.
E os dedos dela sentiam-se macios enrolados nos dedos dele...e o corpo dela sentia-se protegido amparado na sombra dele...e os olhos dela esqueceram a chuva que neles ontem caía e viram o sol a aquecer-lhe a testa e o coração dela sabia que os seus corações antes de anoitecer iam conhecer-se num mesmo beijo...


Era tarde...mas não tão tarde
para a lua acordar por entre as nuvens
Era cedo..mas não tão cedo
para dois estranhos não se abraçarem
numa tarde de chuva...
E o medo?
Onde ficou o medo de sofrer outra vez?
E a razão?
Onde esconderam a razão...?
Talvez debaixo do vestido
no meio do veludo tremido...
ou no bolso da camisa
encostada ao corpo humedecido...
Era cedo..
era cedo para alma se despir...
mas despiu-se e a nu deixou todos os beijos
que por respeito a dor passada
do mundo Ela escondia...

Daniela Pereira in Poeticamente falando de corpos para prosear a alma
Direitos Reservados

2 comentários:

braulio disse...

que belo
que paixao..

beijos...

blueiela disse...

Obrigado Braulio


Quando os sentimentos são verdadeiros existe chama até no dizer Adeus...