sábado, fevereiro 27, 2010

Insólitos Descartáveis I

Insólitos Descartáveis- Excerto do texto "Somos cães que as larvas desprezam"






Não quero ser arrogante nas palavras que exalo, mas a arrogância aqui faz todo o sentido. Estou a olhar o mundo que está lá fora e sinto nojo por senti-lo assim....bruto e grotesco. As pessoas parecem uma matilha de cães esfomeados lutando pelo melhor pedaço que a vida lhes atira ao chão.. e como cães que são mostram-se bichos rudes e insensíveis não hesitando em morder os fracos e derrotados até ficarem com os dentes bem cravados na carne... porque neste mundo só os vencedores merecem comer. Vale tudo para se ser feliz neste planeta de mesquinhez e cobardia! Queres ser feliz ? Então, não penses mais porque a maneira mais fácil de lá chegares é devorares a felicidade dos outros...engole-a só para ti...tira-lhe o ar e depois deixa-a seca e vazia num canto qualquer da tua rua. De preferência, num canto escuro, só para que ninguém veja o teu trabalho sujo a brilhar na sujeira que amontoas na tua alma. Não podes ser descuidado e deixar á mostra de todos, as lágrimas daqueles que espezinhaste porque ainda rompes a tua máscara e toda a gente vai saber que és um monstro horrendo. Montaste ao meu coração um cenário lindo de morrer! Só podia porque no fim ele será o meu cemitério ...e a morte de um sentimento tem que ser celebrada com euforia e cor. Fico a rir dos teus rios límpidos e cristalinos, onde a água é na tua dimensão imaginária um objecto de pureza extrema. Achas que não consigo ver que ela está conspurcada de restos maltratados? Louco e inocente...é isso que és! Tenho olhos de breu, mas ainda consigo ver para lá da mentira porque a verdade nunca me enganou e sabe bem guiar os meus passos. Iludiste-me... enfeitiçaste-me com palavras doces e lenga-lengas, mas o meu peito sempre desconfiou dessa doçura reforçada. Batia mais forte...é certo que batia! Mas em todas as corridas que fazemos o coração acelera mesmo que tu vás direito a um precipício ...ele não pára. Não escolhe porque bate...apenas sente debaixo de um emaranhado de músculos entalados na carne e abraçados por sangue que tão depressa ferve como congela a uma velocidade estonteante.
O mundo gosta de pregar sermões aos peixes... de cuspir amabilidades e falsas certezas pela simplicidade do acto. Ser sincero é muito mais trabalhoso! Custa sofrer quando se diz uma verdade e ela é sentida até à raiz dos teus cabelos....imagina-a como uma dor dentes...

Daniela Pereira in Afectos Obsessivos (Excerto do texto “Somos cães que as larvas desprezam”),Edições Ecopy 2007

4 comentários:

meditador disse...

Não sejas tão pessimista!!! Muitas vezes dá-me vontade de me exprimir com esta frustação! Mas não penses que estás sózinha e que a vida é assim mesmo e que apenas mantendo a esperança é que melhores momentos virão.

blueiela disse...

:) Não te preocupes que muita água já correu debaixo da minha ponte _alma depois de me ter sentido assim.Estes insólitos,já fazem parte do passado..retirei apenas um pequeno excerto de um texto editado no livro Afectos Obsessivos e mimei-o com a voz.
Obrigado meditador pela visita ao Devaneios...

beijinhos*

Daniela Pereira disse...

Tive a ver o texto em que leste o excerto, achei te muito expressiva. Muito bom.

blueiela disse...

Obrigado Daniela...:)

Que alívio já ter o Devaneios funcional,nem imaginas...foste uma simpatia em me teres avisado.
Às vezes faço estas pequeninas dramatizações dos poemas e textos que vou escrevendo...um lado meu sempre foi "liderado" pela linguagem dos gestos e das emoções;)

beijinhos..volta sempre*