quarta-feira, maio 04, 2005

Pilhar a alma com o corpo


Estou sentada com o corpo irrequieto
deslizando na cadeira
e os dedos baloiçando no teclado
ao ritmo imposto pelas palavras bocejadas.

A cabeça percorre velozmente
todos os suspiros ecoados numa noite
e suborna os olhos com lânguidos acenos
para que mantenha aprisionadas na retina
as imagens despidas na escuridão.

O nariz empinado vai procurando
os aromas nocturnos que o deliciaram
por entre os cheiros rafeiros
que se espalharam no odor matinal.

As pernas cruzam-se
varrendo a esquerda e a direita
com movimentos oscilantes
em busca do encaixe perfeito.

A pele rebusca o toque incendiado
que a lambeu com beijos ardentes
enquanto as cortinas se encolhiam
na janela envergonhadas.

Sinto a frescura do vento
soprado com força
esbofeteando o meu rosto suado
numa tentativa de acordar a alma adormecida no corpo.

Mas ela dorme pacificamente
e louca ainda sonha deitada
com o coração servindo de cabeceira.

6 comentários:

Poeta Urso disse...

Gostei muito do poema
achei bastante atual
o sono não me permite fazer melhor comentário
Adeus
www . ursofingidor . blogspot . com

Luís disse...

Gostei muito deste poema.
Bj**

Luísa Mota disse...

Querida Blue,

A sobriedade arrebatadora das tuas palavras é mágica, transpõe os limites da compreensão, abrange a imensidão da beleza de ser...simplesmente ser.

1 Bj*
Luísa

blueiela disse...

poeta urso


Foi uma visita muito simpática...mesmo estando com sono;)
Obrigado pela presença!


beijos

blue

blueiela disse...

luís,


É sempre muito bom,deparar com o teu carinho expresso nas tuas palavras de apreço :)

Obrigado amigo!

beijos

blue

blueiela disse...

Minha adorada Luísa...a minha deusa das neves ;)


Mágica é a tua sensibilidade...e toda a ternura que me ofereces .
É delicioso sentir o teu apreço!
Obrigado , querida amiga...

beijos fofos

para ti e para a tua pipoquinha

blue