domingo, julho 31, 2005

Gritar com os dedos



ESCREVE...escreve todas as palavras
que te assaltarem a mente
e não hesites em prendê-las no papel
se sentires que elas tentam fugir dos teus lábios.

MATA... mata todos os espaços em branco
afogando-os em rios de tinta preta
até deslumbrares algumas letras confusas
boiando nas tuas folhas .

BEIJA...beija todos os teus versos
com a intensidade que te rasga a alma
e mancha as tuas palavras de batom
enquanto o teu coração segura a caneta na boca

CHORA...chora todas as tuas lágrimas
mas não as deites fora num mísero lenço de papel...
Faz delas andorinhas
e deixa-as chocar com o mar salgado
até que as ondas lambam todo o seu sal.

Depois, espera com as mãos bem abertas
que chovam sorrisos
das nuvens que pintaste logo pela manhã
com os olhos vendados.

Daniela Pereira 27/07/05

4 comentários:

Drops disse...

Não tenho palavras para te escrever... mas senti o que tu escreveste, e a liberdade foi a primeira coisa que me veio à cabeça, seguida de um sorriso grande e sincero...

Beijo enorme
Drops

blueiela disse...

Drops


Lindas palavras as que deixas para mim... :)
E o meu sorriso ao recebê-las é também imenso e sincero...obrigado pelo carinho!


beijinhos grandes

Blue

Duarte disse...

Cheguei aqui por acaso, por um intrincado percurso de ligações entre blogs e eis-me surpreendido. O poema é de cortar a respiração, fiquei sem palavras. Parabéns!
É de uma imaginação e sensibilidade desconcertante.
Beijo

Syntax_Error disse...

és mesmo uma poeta... isso é incontornável. O sangue que te corre é tristeza sólida mas as formas de tinta preta que no papel escreves são profundas, elevadas e únicas... Sinceramente, adorei!