segunda-feira, outubro 29, 2007

Eu e o meu medo...o meu medo e Eu...




EStou deitada de olhos presos num tecto pintado de branco e o tempo passa devagar...

Tenho os olhos pesados pelas lágrimas, mas não os consigo fechar e as horas vão passando todas iguais...estupidamente iguais, só porque não tenho forças para adormecer com tantos pensamentos a correr cá por dentro.

Sinto medo...de quê?Não sei!Mas é medo aquilo que sinto...

Tento explicar o que ele me faz sentir e reviro todas as palavras que conheço e até invento algumas...

Crio paisagens com os dedos, e só para fugir do escuro, imagino que planto candeeiros no cimento e fico à espera que a luz nasça em mim como se de uma flor tardia se tratasse.E são os meus olhos que esta noite a vai regar...

Eu sei que tudo á minha volta está calado...mas ouço gritos sem voz que me baralham a paz e me lançam para outras guerras e eu vou...

E o medo dá pontapés cá por dentro e grita...És culpada da escuridão e de todos os males que no teu mundo se atravessam sem pensar.Então..eu arranco a minha mente e flutuo vazia sem hesitar...

OK-Do you want something simple?The Gift



Cruelmente...Daniela

3 comentários:

pedro disse...

meu deus...
que intensidade...
que vibração...
que garra ...
que capacidade de descreveres...
- o teu ser
- o teu temer
- o teu sentir.

parece que te entregas ao marasmo, não por acaso,não por derrota... como se soubesses que o marasmo é aquilo que faz com que as palavras fiquem apriosionadas na boca e as almas apertadas.
como se soubesses que gritar... sentir...sofrer é melhor que resignares-te...
como se não temesses dar de beber a dor ... quem sabe na esperança de que do rio das lagrimas nascam novos sorrisos... novos sonhos... novos sopros...
como se soubesses a dimensão do infinito, a dimensão de tudo o que vai acontecer e mesmo assim vivesses dia a dia, passo a passo.

es poetisa
es diva...
es vida

em cada palavra tua que leio
em cada foto tua que vejo
em cada sentimento que despoletas...
há um sonho que não se cansa de acontecer...
um grito que não cessa de se fazer ouvir...
pode haver dor, podem haver lágrimas...
mas há também a certeza de que este rio onde navegas não é solitário...
no mínimo dos mínimos, tu... nauta e timoneira de sonhos... podes contar comigo (e com todos os que te leem), pois estou, estarei sempre dispostos a largar amarras sempre que quiseres seguir viagem e a ser cais, se cansada precisares de um porto.

gosto de te ler...
gosto da lua que brota dos teus olhos...
gosto de ti...

beijo

blueiela disse...

Pedro...não tenho palavras para agradecer tanto carinho:)
Sou uma pessoa normal mas que vive prisioneira dos seus pensamentos..se calhar é por isso que me liberto tanto quando escrevo.


beijinhos

daniela

pedro disse...

diva
diva
diva
diva...
tu