domingo, agosto 16, 2009

Foi doce...





Vou cantar à janela
que a vida é bela...
Que o meu amor
pode ter espinhos
mas tem rosmaninhos para dar..
Que a flor morreu
mas ainda tenho
que ter algures em mim
a sua semente...
Que a chuva que cai dos meus olhos
um dia vai deixar de ser tão salgada...

Foi doce o meu olhar
quando se enchia de ternura
Foi doce..

Queria uma cantiga de amigo ao pé de mim..
Um ombro para adormecer
quando me sinto cansada...
Uma mão para apertar a minha
e nunca mais a largar..
Queria caminhar...

Queria fazer poesia
por sentir magia dentro de mim..
Não queria ter palavras
só porque me apetece chorar...

A poesia é um sopro de vida
não é o lamento de quem se sente a morrer!
Queimem-me os lenços...

Se tenho palavras
que sejam para exaltar os sorrisos...
para mascarar a minha morte..
para inventar versos e canções..
para carimbar nas paixões..

Porque levas-te de mim tanto
para hoje sentir um pouco mais
o que ficou gravado nas paredes?
Asfixias-me a inspiração e já nada bate certo
na fragilidade dos meus dedos...
Deprimo as letras...deprimo as letras
e conduzo os versos
a um suicídio lento
porque não os deixo fugir
da onda triste
que me visita todas as noites...

Perdi o dom de fazer sonhar..
Fada azul sem varinha de condão..
Borboleta voando ás voltas...perdeu a flor..
Tinha olhos onde brilhavam estrelas..
Luzes no rosto e a escuridão
presa a um canto.
Por ironia...fui eu que a libertei!





Estou farta das palavras...
Estou farta de dizer o que sinto...
Apetecia-me enterrar bem fundo
a tinta e o papel..
Encerrar o meu corpo numa concha
e ficar a vê-lo a apodrecer!
Talvez, até queimar a alma...no Inferno
Fugir para uma mata e repartir a fome com os lobos
para ver se eles uivam mais alto que o meu peito
ao recordar os beijos dados ao luar.
E eu que adormeci na tua toca pensando que a dor nunca chegaria para me comer...
Como ela me devora sem dizer uma única palavra!

Uma poetisa deprimida está à janela
devorada em silêncio
a fingir que a vida é bela..
Enquanto o mundo a esquece...
Ai,como ela o merece!

Daniela Pereira in "Foi doce"
Direitos reservados

2 comentários:

Margarida Piloto Garcia disse...

Sempre num misto entre a tortura e a ternura.

Luís Miguel - flautas disse...

o teu olhar É doce
e cheio de ternura

(também tem um pouco de tristeza
mas sei que isso vai mudar,
tenho a certeza)